Pular para o conteúdo principal

Novo Museu de Arte de NY - SANAA [e a questão do museu como uma caixa]


         O Novo Museu de Arte de Nova York foi inaugurado no fim do ano passado. Seis caixas são empilhadas e deslocadas para formar o novo edifício.
         A equipe responsável pelo projeto foi a do escritório japonês SANAA (Sejima and Nishizawa and Associates).
         Num lugar como Manhattan, o que torna esse novo espaço identificável como um museu?


         A volumetria possuí clara referência aos arranha-céus Art Déco que cobrem a ilha. Uma caixa fechada que guarda arte em seu interior. Da rua, talvez o elemento que mais chame a atenção do observador seja a aparente ausência de aberturas, tão diferente de seus vizinhos.

Uma obra de arte fica exposta na própria fachada do museu, mudando conforme a exposição


         Ao poucos, durante o crepúsculo, o objeto fechado e sólido se desfaz com sua iluminação interna artificial, revelando algumas aberturas antes despercebidas, revelando-se transparente, porém ainda enclausurado, mesmo que por uma pele.


         A idéia de que a arte deve se libertar do museu como objeto fechado, assim como a escultura se liberta de seu pedestal, é desenvolvida já a pelo menos 50 anos. Desde a década de 1960, artistas como o escultor norte-americano Richard Serra inserem arte diretamente sobre a superfície da cidade, criando uma nova relação desta com o observador. Ainda que esse seja o caso de uma escultura, objeto que pode vir a sofrer com as intempéries, é questionável que todas as obras de arte devam ficar contidas e separadas do espaço urbano dentro de uma caixa que possuí climatização e iluminação controlada.


         Terá o público perdido a vontade de visitar museus apenas para ver arte? Isso explicaria a necessidade que museus sentem hoje em incluir como parte de suas atrações restaurantes, cafeterias, auditórios. A própria imagem externa do museu, sua caixa, um objeto, torna-se também atração.

Imagens:

Comentários